Se ao administrador cabe, entre outras tarefas, a gestão financeira do condomínio, já aos condóminos cabe o importante papel de fiscalizar as “contas” do condomínio. É, por isso, importante que os condóminos mantenham uma postura de proximidade, apoio e fiscalização à gestão financeira do condomínio, pois só assim é possível, em conjunto com o administrador,  intervir prontamente para garantir o cumprimento do plano financeiro e a transparência dos procedimentos.
Neste sentido, os condóminos devem estar atentos a um conjunto de situações que podem ser indício de que algo está menos bem na gestão financeiro do seu condomínio:
  • Dificuldade ou indisponibilidade do administrador em facultar o acesso da documentação do condomínio – nomeadamente faturas, orçamentos ou extratos bancários, aquando da solicitação dos condóminos
  • Ausência de balancetes nos períodos acordados para a sua apresentação
  • Recusa do administrador em apresentar contas na assembleia ordinária ou em prestar esclarecimentos sobre as mesmas, quando seja interpelado para o efeito
  • A recusa em convocar assembleias de condomínio, nomeadamente a assembleia ordinária onde se apresenta para aprovação o orçamento do ano que passou e se coloca à votação o orçamento para o ano seguinte
  • Movimentos bancários  sem justificação
  • Despesas sem fatura ou justificadas com meros papéis sem valor contabilístico
  • Utilização de contas bancárias pessoais para gerir o orçamento do condomínio, o que torna impossível o controlo dos movimentos bancários por parte dos condóminos. Neste ponto é importante recordar que o condomínio deve ter obrigatoriamente uma conta bancária à ordem em seu nome e outra para depositar as verbas destinadas ao fundo comum de reserva.
Perante alguma destas situações, é importante pedir esclarecimentos ao administrador no menor espaço de tempo possível. Na falta de esclarecimentos válidos, pode recorrer-se a uma auditoria  para apurar eventuais desvios contabilísticos, comprovar  a existência de  documentação referente a todas as despesas e verificar  se os movimentos estão de acordo  com as entradas e saídas  de verbas da conta do condomínio.
Como se percebe, é essencial que os condóminos tenham um papel ativo e interventivo na gestão do seu condomínio, garantindo a boa execução do acordado e o devido controlo da gestão financeira realizada pelo administrador, acompanhando a execução orçamental, comparando o que foi aprovado em Assembleia com a sua real execução.
Voltar